Obrigado pela visita...

Poesia 2757 – Ondas de barulho


os caminhões
como ondas
vem e vão
deixando um zumbido
em meus ouvidos.

hoje
meus neurônios estão agitados
não me deixam dormir.

hoje
querem
- como antigamente –
a mesa
o bar
o copo de uísque.

e os ponteiros giram
madrugada adentro
ao som de billie hollyday
em mil novecentos e pouco.

o olhar
distante
o pensamento
congelado
e a vida
em câmera lenta...


em super slow motion...

jorge leite de siqueira

Poesia 2756 – O primeiro


um dia
o primeiro de muitos
e você comigo.

é diferente.
é estranho.

e é tão bom.

o primeiro
de muitos
de muitas viagens
de muitos batizados
de muitas alegrias.

o primeiro

de milhões de quaquilhões...

jorge leite de siqueira

Poesia 2755 – Pedaço de nós


um pedaço
de mim
em você.

um pedaço
de você
em mim

sangue
carne
pensamentos.

sonhos
paz
eternidade.


trago-te comigo...

jorge leite de siqueira

Poesia 2754 – Animais famintos


nós dois
na floresta
animais
famintos
de amor e de amar.

sou lobo
você ovelha.
sou coelho
você leoa.
sou deus
você minha deusa.

nós dois
na nossa floresta
somos um só.


encaixe de almas...

jorge leite de siqueira


Poesia 2753 - Desatando


nós
nós dois
sem nós
em nós.

nós
na vida
desatando
os nós
em nós.

de nó
em nó
os nós
em nós
não existem mais.

nós
sem nós
somos mais fortes.


invencíveis...

jorge leite de siqueira

Poesia 2752 - Novos fragmentos

2752 – novos fragmentos

1.

o passado
bate à porta
feito alma penada.

não à minha
mas
à dela.

como mostrar-lhe
que o que sinto
é maior
muito maior
que apaga todo meu passado?

como?

2.

prince morreu.
pois é.
prince morreu.

ele ainda estava vivo?

3.

em seus passos
o que faria jesus?

perdoava jean
como perdoou
maria madalena?
condenava jair
como condenou
os fariseus?

ou seria o contrário?

hoje
jesus perdoaria os dois
mas
e antes da santidade?

se você fosse jesus
o que você faria?

4.

hipocrisia!
eu quero uma pra viver!!!

5.

seu cheiro
seus olhos
seu calor.

seu beijo
seu abraço
sua presença.

saudade
de sua presença...

6.

já estava acostumando
à cama
mas
agora
ela está enorme
sem você
aqui...

7.

um mês?
um milênio?
quantas encarnações?

não importa quando tudo está perfeito...

8.

seu vizinho
está alugando a casa.


vou me mudar...

jorge leite de siqueira

Poesia 2751 - Uma palavra

seus olhos
invadem os meus
mas
são os meus
que te leem.

quatro letras
uma palavra
escrita em duas almas
por dois corações.

li
só uma palavra:
amor.

não preciso de outras...


jorge leite de siqueira

Poesia 2750 - Instinto animal

animais
corpos
calor.

animais
sem pensamentos
só instinto.

animais
apaixonados.

eu
por você.
você
por mim.


racionalmente irracionais...

jorge leite de siqueira

Poesia 2749 - Conversa de corações

quando nossos corações conversam
o que eles falam?

palavras básicas de amor?
juras secretas?

quando nossos corações se falam
nossa alma acalma
e há paz
há amor
e há algo estranho
muito
muito estranho.

eu não sei
o que nossos corações conversam
mas
é bom
muito bom.


e muito quente...

jorge leite de siqueira

Poesia 2748 - Longe

em outro bairro
é longe.
ali na esquina
é longe.
ali em frente
é longe.

você precisa
morar mais perto.
aqui
ao lado
a um centímetro de mim.

pelo meno o corpo
porque a alma
já mora
aqui
dentro.


no coração...

jorge leite de siqueira

Poesia 2747 - Planos estranhos

saudade.
não a palavra
o sentimento.

que me faz sonhar
que me faz corar
que me faz fazer planos tão loucos como nunca fiz.

é estranho.
mas tudo é tão estranho.

e estranho
é algo
que nunca se viu
nunca se sentiu.

essa saudade
em mim
é estranha.


muito estranha...

jorge leite de siqueira


Poesia 2746 - Aconteceu

e aconteceu
ali
no escuro do quarto escuro
aconteceu.

não havia ninguém
e aconteceu.

devagar
sem pressa
e instantâneo.

foi rápido
e demorado.

aconteceu.

não assustou ninguém
não saiu no jornal
ninguém ouviu.

no silêncio total
aconteceu.


nada...

jorge leite de siqueira

Poesia 2745 - Sopro

sopro!
a luz vai
aos poucos
me invadindo.

luz
alma
sopro.

e me sinto dois
nós dois
juntos.


nunca mais serei só um...

jorge leite de siqueira

Poesia 2744 - Rolando comigo

pedra
no meio do caminho
e você me achou.

- sou pedra que rola! – gritei.

você se acomodou
ao meu lado mais liso
e se preparou
para rolar comigo...

jorge leite de siqueira

Poesia 2743 - Minha deusa

nada sei
nada sou
nada tenho
nada dou.

e você me quis?
e me quer?
para ser seu homem e você minha mulher?

nada sei
nada sou
e me sinto um rei
um mito
um deus.


e você é minha deusa...

jorge leite de siqueira

Poesia 2742 - Sem máscaras

eu
sem avessos
e só avessos.

do passado
nada trouxe
a não ser medos, traumas e preconceitos.

em mim habitaram por muito tempo
mas os expulsei.

não sou avesso
e sou avesso
quando penso não ser avesso.

agora
não uso mais máscaras.

avesso
ou não
sou único.

e não me importa como me olham...

jorge leite de siqueira

Poesia 2741 - Egoísta?

pensar em mim?
só em mim?
egoísta?
por quê?

sozinho
não sou nada.
nem meus pensamentos valerão coisa alguma...

sozinho
sou vazio
buraco eterno
saco sem fundo.

sozinho?
sou vácuo...

eu gosto de todo mundo
quero o bem de todo mundo
mas
principalmente
de quem também quer o meu bem.

por isso
eu posso até perder alguma coisa
- material –
mas ganho muito mais
- espiritual.

egoísta?
igual a você?

nunca serei...

jorge leite de siqueira


Poesia 2740 - Recomeçares

agradeço
a você
que entende
meu presente
apesar de meu passado.

recomeçares são constantes em mim.

na vida
no trabalho
no amor.

foi meu passado
é meu presente
será meu futuro.

meu destino é ser
pedra que rola
metamorfose ambulante
poeta andarilho.

e
a você
que se intriga
comigo
com meu jeito
com minha coragem
- é intrigante mesmo, concordo! -
você
é incompetente
covarde
por continuar criando limo
enquanto critica as pedras que rolam.

a culpa é sua!

recomeçar
é algo diário
instantâneo
e divino.

sou sim
pedra que rola.
não aceito a tristeza.
não me acomodo,
nem me incomodo.

a morte bate à porta
para mim
para você
e
enquanto não abro a porta
vou recomeçar
tantas vezes forem necessárias.


quero sempre ter um sorriso na cara...

jorge leite de siqueira


Poesia 2739 - Simples assim

você é
simples assim:
perfeita!

um poço de águas puras.
um livro eclético de milhares de páginas.
um coração imensurável.
um calor conquistador.
uma calma colossal.

simples assim:
gigantemente

apaixonável...

jorge leite de siqueira


Poesia 2738 - Com que olhos você me vê?

com que olhos você me vê?
com os teus
ou com os dos outros?

não importa!
você continuará sozinho
depois
independente de tudo:
de sua opinião
de sua escolha
de sua busca
de sua vida.

você continuará sozinho
enquanto
não se encontrar.

e como se encontrar?
quando você responder a esta pergunta
sim
você se encontrou.

parabéns.

mas
por enquanto

com que olhos você me vê?

jorge leite de siqueira


Poesia 2737 - Fiel ou leal?

fidelidade
vai
e vem.

lealdade
nunca se vai.

o que você prefere?
fidelidade
ou lealdade?

se eu não for fiel
posso te ser leal.
mas
se não for leal
será que serei fiel?


o que você prefere?

jorge leite de siqueira

Poesia 2736 - Ser ou não ser?

ser o primeiro
ser o segundo
ser o último.

ser limpo
ser sujo
ser hippie
ser diretor.

ser pontual
ser atrasado
ser necessário.

ser dor
ser horror.
ser angústia
ser renúncia.
ser carinho
ser amor.

para muitos
o importante é ser
apenas ser.
mas,
ser?
só ser?

eu quero ser e estar...

ser vagabundo
estar trabalhando.
ser romântico
estar assustado.

ser livre
estar pedra.
ser pássaro
estar elefante.


ser você...

jorge leite de siqueira